5 passos para sabotar um show católico em sua paróquia

“Parece que você faz exatamente o contrário do que eu falo”. Em muitos relacionamentos e na educação dos filhos essa é uma frase frequente. Na organização de shows católicos não é diferente. As equipes parecem fazer exatamente o que sabem que não pode ser feito. Com uma pitada de humor tentarei driblar a lógica de quem é do contra e insiste em fórmulas caducas e fracassadas ou inovadoras e alienadas ao invés do equilíbrio. Não faça isso, aliás, faça (rs)!

1- NÃO REZE:
Organize tudo sem oração! Você e sua equipe precisam ser mais práticos e objetivos. Não tenha visão espiritual. Faça da fé um mero produto do marketing;

 

2- NÃO PENSE:
Contrate qualquer artista ainda que não tenha nenhuma relação com o tema do seu evento. Não precisa ter um testemunho de vida. Escolha qualquer som, luz, palco, nem pense em segurança, prevenção de incêndio, enfermaria ou vistorias. Aliás, nem contrato precisa. Veja que o “Fulano SOM” tem equipamento “legal” e bem mais barato do que o cantor ou banda sugeriram. O som é ruim mas ele sempre dá um jeito. Para o nome de evento não se preocupe com questões jurídicas. Escolha o clichê. Sempre dá certo! O local é o que dá. Não pense que precisa ser de fácil acesso e ter possibilidades de transporte de diversos pontos da cidade e de outras localidades. Banheiros e comida? Você acha que alguém vai mesmo precisar depois das 2h30 de missa e mais 6 horas da extensa programação? Nem o artista nem o público cansa, vai ao banheiro, dorme ou come.

 

3- NÃO QUESTIONE:
Concorde com cachês altíssimos. É justo? Claro! Se o artista apareceu no programa de TV com tanta audiência e vendeu milhares de CDs ele pode cobrar 20 ou até 100 mil e quem vai ter que dar conta de cobrir as despesas será você e sua equipe. Não peça desconto em “ajuda ministerial”. Não procure o ECAD. Espere até receber uma visita de um representante que irá lhe multar e talvez até fechar o evento. Não procure patrocinadores. Não faça camisetas, rifas, ou outros meios de arrecadação. Conte somente com a bilheteria. Banque você e sua equipe todo o evento. E então, abuse! Porque não lucrar também? Coloque os ingressos em lotes e vá aumentando a cada semana. Você não está matando ninguém!

 

4- NÃO FALE PRA NINGUÉM:
As pessoas vão correr para ver esse show. Só um nome bem conhecido e com sucesso já garante que seu evento também será bem sucedido. Não faça cartaz nem divulgue nas redes sociais. Deixe tudo para a última semana. Nem pense em falar com TVs locais, emissoras de rádio ou jornal impresso. Guarde segredo. Faça desse evento sua realização pessoal. Traga quem você gosta e ouve e não aquele artista que pode contribuir com o crescimento da sua comunidade;

 

5- NÃO ARRISQUE:
Gaste sempre com aluguel de som e toda a estrutura e nunca invista na qualidade do som da sua Igreja. Tudo precisa ser muito grandioso. Pra quê arriscar fazer um evento com estrutura menor e gasto menor se você pode criar algo apoteótico?

Se quiser sabotar um evento católico em sua cidade nem fale com a gente. Apenas siga esses passos. Agora se quiser realizar uma evangelização que mexa com as estruturas de sua comunidade, faça exatamente ao contrário desses itens e venha conversar comigo sobre NOVA EVANGELIZAÇÃO! Como bem disse o revolucionário Papa Francisco: “Eu não quero uma Igreja tranquila. Eu quero uma Igreja missionária!” Então…  #VamosPraRuaEvangelizar !!!

Faça um comentário